A solução dos problemas do país: Educação! Propostas de um colunista

November 17, 2017

Um professor marca uma prova em uma de suas turmas. Quatro deles falta ao exame e levam zero. Uma semana depois eles retornam a aula e o professor indaga aos mesmos o porquê da ausência. Resposta: “o pessoal de nossa rua tava em confronto com a rua daqui da escola. Não podíamos passar, senão seríamos alvejados”.

 

Estudantes de um projeto social iriam prestar vestibular para uma universidade pública em um domingo de manhã, mas faltaram. Alguns podem até ter comentado sobre a irresponsabilidade dos jovens que faltam a um compromisso desse, que se atrasam, que ficam fazendo farra até tarde, etc. Motivo do não comparecimento: membros da comunidade em que residem estavam em guerra com a polícia e forças do Exército e foram impedidos de sair de casa.

 

Uma escola para de funcionar em uma cidade do interior. Greve dos professores? Falta de professores? Alunos relapsos? Não: um esgoto estava correndo a céu aberto nos fundos da instituição e o mau cheiro provocou o cancelamento das aulas, pois ninguém estava suportando mais a fedentina.

 

Durante uma aula, um aluno de oito anos desmaia. O professor acode o estudante, pois era grande a preocupação. Seria um mal-estar passageiro? Calor? Uma doença grave? Não: o garoto estava morrendo de fome. O rapaz dependia da merenda da escola para se alimentar

 

Alunos chegam atrasados com frequência a uma escola em uma zona rural. Poderiam ser até advertidos, afinal, uma vez passa, mas todo dia? É que o grupinho caminha 13 quilômetros para ir pro colégio!

 

Uma aluna faz uma prova e tira uma nota muito baixa. É chamada atenção pela professora. Como uma aluna obediente, responsável, e atenciosa consegue fazer uma atividade tão ruim? Não estudou a lição? Mais por qual motivo, meu Deus? A causa: som alto, barulho, e brincadeiras infantis não permitiram que a garota pudesse se concentrar em seu dever de casa, graças a vizinhança.

                                                           ***

Muito se fala no país que a solução do problema é “Educação”. “Basta apenas” colocar os negros em escolas boas e não precisaria de cotas raciais ou “é só estudar” que se resolveria boa parte das discrepâncias sociais, econômicas, RACIAIS e etc. Aumentando o salário dos professores, ofertando a dignidade que a categoria merece, tanto faz que o colégio seja em Porto Alegre ou no meio da Floresta Amazônica. O Brasil não é tão plural assim e nada é tão complexo. Ah, sim: e nada de doutrinar os jovens – um dos problemas “de maior gravidade” detectados em sala de aula. Abaixo a ideologia de gênero!

 

Às vezes penso Educação como um encanador que é solicitado para resolver um vazamento doméstico. Porém, constata-se que há algo de muito mais grave nas tubulações públicas que lançam toneladas de poluição em águas limpas e potáveis.

 

E é isso, essa é a saída pra solucionar os graves problemas de desigualdade do país. Educação! As outras mazelas não atingem diretamente a escola e não devem ser debatidas em comunhão com essa questão grave da falta de estudos. Essa é a minha proposta, simples, eficaz, e honesta. Não poderia falar mais do que isso. Fim do artigo...

 

"A crise da educação no Brasil não é uma crise; é um projeto." Darcy Ribeiro.

 

 

FONTES:

 

https://pixabay.com/pt/photos/?hp=&image_type=&cat=&min_width=&min_height=&q=educa%C3%A7%C3%A3o&order=popular

 

http://cbn.globoradio.globo.com/media/audio/121461/uerj-diz-que-estudantes-da-rocinha-que-perderam-ve.htm

 

http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2017/11/aluno-desmaia-por-causa-de-fome-em-uma-escola-publica-do-distrito-federal.html

Compartilhar
Please reload

RECEBA AS NOVIDADES

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey G+ Icon

© 2019 por Soteroprosa | Design por Stephanie Nascimento. Implementação e suporte por Wix.com.