Bolsonaro e o carisma

March 25, 2019

 

 

 

Na primeira metade do século XX, o sociólogo alemão, Max Weber, sustentou uma tese de que é comum nas sociedades surgirem figuras carismáticas: líderes, heróis, profetas que se atribuem a algum tipo de poder sobrenatural ou extracotidiana contra um mundo recheado de infortúnios e sem sentido. Personagens carismáticos têm a capacidade de impor poder através de uma dominação baseada em puros afetos, distantes de ações racionais ou  hábitos tradicionais. Revelação, milagre, veneração, provas e confiança são conteúdos que legitimam a segurança no poder pessoal, garantindo obediência de muitos.

 

Ao encarnar o discurso heroico de expurgar os males da sociedade, o líder faz com que as pessoas sejam tocadas intimamente, seduzindo-as a algum entusiasmo e esperança à falta de sentido da História, ou, simplesmente, da fria, mecânica e desencantada vida. As condições sociais ou existenciais são tão cruéis e injustas, que deve haver alguém que traga uma solução rápida, imediata. Uma direção sábia.

 

Mas para Weber, depois que essa explosão de afetos, esperanças e discursos de um mundo melhor acalmem os ânimos, surge, normalmente, a rotinização do carisma. Rotinização significa a tendência que o dia a dia volte a ser organizado pela lógica da racionalidade de ações e práticas regulares (imputada por homens públicos, políticos, partidos, juízes, por exemplo), resguardada por códigos e costumes comuns a sociedade. Conclusão: o poder pessoal perde a fascinação inicial.

 

Jair Bolsonaro pode ser considerado uma figura extracotidiana, que surge como bastião da justiça e valores elevados a um país degradado pela corrupção, violência e ideologias predatórias. Mas após ganhar as eleições e assumir o posto de presidente da República, o atual chefe administrativo assume uma gerência pública que já foi exercida por muitos outros. Ele deve se despersonalizar em favor das instituições, respeitando os limites, deveres e obrigações formais da função. Portanto, um processo obrigatório de rotinização do carisma, afinal, teoricamente, ninguém deve estar acima do que autoriza a Constituição.

 

Contudo, Bolsonaro tem resistências claras ao enquadramento racional e obrigatório da ordem pública: ele usa alternativas para não deixar apagar a chama do carisma aos seus adeptos. Para o "mito", a saída é a rede social:  facebook, instagram, twitter, youtube. Há uma clara tentativa de impedir a rotinização do carisma utilizando ferramentas virtuais extraoficiais.

 

 Ao manter uma relação personalista, direta, sem filtro, com a população, alimentando o "espírito do bolsonarismo", o presidente deixa claro que a impessoalidade da função pública não vai impedi-lo de manter um encantamento próprio: discurso contra os possíveis inimigos da pátria, outsider das impurezas da política e da cultura, e a aura de capitão salvador. Um esforço de travar a rotinização. Se será bem-sucedida ou não, só o tempo dirá.

 

Link da imagem:https://www.redbubble.com/people/krallik/works/30410256-bolsonaro-mito?p=poster

 

 

Compartilhar
Please reload

RECEBA AS NOVIDADES

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey G+ Icon

© 2019 por Soteroprosa | Design por Stephanie Nascimento. Implementação e suporte por Wix.com.