top of page

MITOLOGIA: Uma Reflexão Sobre Nossa Própria Narrativa




Numa instigante discussão, com um grupo de leitores afiados, sobre o livro "Ela Seria o Rei", de Wayétu Moore, que narra a fundação da Libéria através de uma mescla de história e realismo mágico, começamos a tratar das mitologias dos povos presentes na narrativa. No processo, comecei a refletir sobre esse palavrão: MITOLOGIA.


E o que é isso? Esse termo, tão frequentemente usado, refere-se ao conjunto de mitos, narrativas e crenças que uma sociedade desenvolve ao longo do tempo para explicar os aspectos fundamentais do mundo, da natureza, da origem da humanidade, do divino e do sobrenatural.


Os mitos podem abordar uma vasta gama de temas, desde a criação do universo até as aventuras de divindades e heróis, explicando fenômenos naturais, costumes e tradições, e oferecendo orientações morais e éticas. Eles desempenham um papel crucial na formação da identidade cultural e na transmissão de conhecimentos de geração em geração.


No entanto, percebo uma tendência curiosa: quando falamos de mitologia, muitas vezes nos referimos às crenças e tradições dos outros, das culturas minoritárias. Mas e nós, também não temos nossa própria mitologia? Nossas crenças dominantes são aceitas como verdades absolutas, enquanto as dos outros são vistas como folclore ou superstição, evidenciando dinâmicas de poder e hegemonia cultural.


Por exemplo, o cristianismo, tão enraizado em nossa cultura, é frequentemente aceito acriticamente como verdade histórica, ignorando sua própria natureza mitológica. As narrativas religiosas cristãs contêm elementos que poderiam ser interpretados como míticos, como a criação do universo por um ser divino onipotente, mas são tratadas como inquestionáveis, enquanto outras crenças são desconsideradas. Aliás, quase nunca, mesmo entre os estudiosos das humanidades, se usa a palavra “mitologia” para se referir ao cristianismo.


É essencial questionar nossas próprias crenças e as hierarquias que perpetuam noções preconcebidas de verdade e mitologia. Devemos reconhecer a diversidade e complexidade das práticas religiosas ao redor do mundo, apreciando a riqueza cultural e espiritual das diferentes tradições, sem cair na armadilha da condescendência ou da romantização, e, sobretudo, sem promover o ódio em relação às crenças diferentes das nossas.


___________________________________________________________


Fonte: Fonte: Google Imagens



46 visualizações2 comentários

2 Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating

Essa divisão entre o ser e o outro pra mim é muito palpável quando vou em museus. Acho tão estranho olhar pinturas de pessoas dos povos originários em suas roupas como se fosse um símbolo de beleza exótica a ser observada. Onde estão as pinturas de homens engravatados? Elas não existem porque seriam um "normal", sem necessidade de ser representado e pendurado na casa de uma viúva rica do Leblon....

Like
Replying to

Isso me lembrou post esses dias dizendo que uma casa de leilão está leiloando ossadas de pessoas do Egito encontradas em algum país europeu provavelmente acervo da coleção de alguém. E isso mostra o como até hoje os países europeus se beneficiam até hoje da colonização.

Like
bottom of page