top of page

SUSPIRO CEGO NO MAR DE ANGÚSTIAS"Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos bem."





Ao chegar em um novo ambiente, pude vislumbrar a possibilidade de agregar novas personalidades em minha recém iniciada trajetória de retorno à vida. Busquei desenvolver relações interpessoais precocemente vistas como rasas, sem preocupar-me com o futuro que aquilo desencadearia, as consequências, as penitências.


Ao pisar nesse terreno virgem e dar a ele o privilégio de sujar as solas de minhas botas, me vi em perigo. Alguém passando por algo que eu já passei, que não tive a capacidade de superar (ainda); o que mais me dói é que a forma de lidar com tal circunstância é completamente individual e singular. Não sei como ajudá-la. Não posso criar um mapa baseado nos meus sentimentos e dar-te, alegando que essa receita de bolo ajudará a sair de um ciclo doentio.


Em menos de uma semana, precisei me retirar do seu mar de angústias e, fechar os olhos para suspirar e desculpar-me por não ser capaz de lhe dizer o que precisa ser feito. Apesar de estar de fora da mesa de poker e ver as cartas de seu adversário, percebendo que são as mesmas cartas daquele que no passado me fez tão mal, não posso lhe mostrar isso. Seria antiético. A única saída viável é te ouvir.


Ao te ver pela primeira vez, imaginei uma mulher certa de si, empoderada, sem tantas problemáticas emocionais e inseguranças desencadeadas por palavras chulas. Te admirei e depois, me vi em você. Vi em você uma versão do que eu já fui, mas não sou mais. Talvez isso tenha me decepcionado. Talvez isso tenha me afastado. Eu sinto muito. Não consigo mais viver com essa versão de mim, mesmo adornada com uma nova pele.




38 visualizações2 comentários

2 commentaires

Noté 0 étoile sur 5.
Pas encore de note

Ajouter une note
Noté 5 étoiles sur 5.

Amei!

J'aime

sandiramoraes
sandiramoraes
03 sept. 2023
Noté 5 étoiles sur 5.

Muito bom ;

J'aime
bottom of page