Recuperando o olfato pós COVID, para recompor minhas memórias

* Por Fabíola Cunha


Depois do vírus, meu paladar foi voltando aos poucos. A língua armazenando os azedos, amargos, doces, agridoces.


Antes, tivemos que dizer ao meu nariz os cheiros que ele sabia, mas havia esquecido.


Sinta! Isso aqui é:


Cominho,

manjericão,

cúrcuma,

hortelã graúdo,

alfazema,

cambará,

cebola,

arruda,

meia usada,

detergente,

sabão em pó

álcool,

alho,

laranja,

ralo de banheiro.


A mucosa ardendo da insistência.


Não era como uma criança aprendendo a nomear o mundo, parecia alguém com amnésia tentando alcançar suas lembranças, sem saber do que deveria recordar.


O ar poderia se perder no caminho para os pulmões, mas naquele momento, isso não me ocorreu. Meu medo era esquecer o cheiro das coisas e meu catálogo de memórias.


Sem o cheiro da gasolina, nunca mais seria a menina escolhendo filme na locadora perto do Texaco.


Sem guiné, maria-preta e pitanga, perderia o acesso ao quarto encantado da minha bisavó, que me protegia e curava com seu amor, rezas e ervas.


Não veria mais meu avô se barbeando com sua navalha afiada e o rosto coberto de Bozzano. Nem entraria na casa preenchida de cravo e canela da calda que minha mãe coloca nos bolos.


Sem olfato, todas minhas lembranças ficariam trancadas e a chave perdida.


Medo de perder o vento soprando maresia pra Avenida Suburbana, do acarajé fritando, do protetor solar espalhado sob o Sol da Barra ou de Ilha de Maré, da alfazema pedindo bençãos no 2 de fevereiro, livro novo, livro velho, molho lambão, mato amassado nas trilhas diamantinas, sopa no fogo, milho assado no são João.


Quanto em nós é memória olfativa?


Passei 15 dias tentando convencer meu nariz a recuperar o olfato, para poder lembrar de mim.


* Escritora, professora, historiadora, redatora freelancer. Instagram: @fabiolac.cunha


Link da imagem: https://pixabay.com/pt/photos/esteira-temperos-3251064/

17 visualizações0 comentário