Alguma morte deve ser comemorada?

E Lázaro foi abatido! Na manhã do dia 28 de junho – uma segunda-feira – o país acompanhou o desfecho do caso Lázaro Barbosa, o assassino foragido que estava há 20 dias escapando de um cerco com centenas de policiais pelas matas goianas. Após ser encontrado, o criminoso não teria se entregado, trocou tiros com os agentes e veio a óbito com quase 40 tiros. Depois de ser deixado em um hospital, segundo informações ainda com algum sinal vital, as tropas que o perseguiam comemoraram o “final feliz” daquela caçada. Populares se aglomeraram em frente ao hospital para acompanharem os últimos suspiros do psicopata.


As redes sociais entraram em polvorosa. Muita gente “soltando fogos”, felizes por um assassino ter encontrado um merecido fim. Teve até um dito cujo que postou “CPF cancelado”. Outros, lamentando celebrações pelo fim da vida de um indivíduo. E aí vai o mote desse texto: existe morte que pode ser festejada?