top of page

NATAL NA CORDA BAMBA: ENTRE O BRILHO DO LUXO E A SOMBRA DA DESIGUALDADE



Queridas leitoras e leitores do Soteroprosa, neste Natal, não podemos fugir da realidade que se desenha diante de nós. Em um mundo dominado pela sociedade de consumo, onde somos incessantemente interpelados como consumidores, o Natal não escapa dessa narrativa. O brilho das luzes muitas vezes esconde a sombra da desigualdade, e é tempo de lançarmos um olhar crítico sobre as festividades que se aproximam.


Vivemos em uma sociedade que não apenas aceita, mas exige que nos tornemos consumidores dedicados. A cultura consumista não é uma escolha, mas uma imposição, onde somos incentivados a seguir um estilo de vida que valoriza o ter em detrimento do ser. No Natal, essa pressão atinge seu auge, alimentando a competição entre nós, como se a celebração do final de ano fosse uma corrida para ver quem acumula mais conquistas materiais.


Influenciadores digitais tornaram-se maestros nessa sinfonia de consumo. Com suas postagens repletas de produtos e recomendações, eles não apenas interferem nas escolhas de consumo, mas também criam a ilusão de que determinados produtos ou marcas são sinônimos de sucesso e felicidade. As empresas apostam nessa influência para atingir seu público-alvo, mas é hora de questionarmos se essa busca incessante por produtos é realmente a chave para a plenitude.


O fim de ano traz consigo uma pressão intensificada por diferenciação e prestígio social. As pessoas se comparam, como se a linha de chegada estivesse à vista e cada um de nós devesse apresentar suas conquistas. Essa competição não apenas aumenta a pressão econômica, mas também contribui para a perpetuação de um ciclo de desigualdade.


No entanto, não me proponho a desvendar o "verdadeiro" sentido do Natal.


Prefiro convidá-los a construir conscientemente esse significado. Que possamos encontrar esperança no reconhecimento de nossas diferenças e na prática da solidariedade. Em meio ao turbilhão consumista, o Natal pode ser uma oportunidade para revermos e filtrarmos as influências digitais que nos levam ao consumo desenfreado. Busquemos um equilíbrio entre o brilho das luzes e a luz que encontramos na compaixão por aqueles que estão à margem desse espetáculo reluzente.


Cada escolha que fazemos molda o verdadeiro espírito da temporada. Ao optarmos por valores que transcendem o consumismo desenfreado, estamos contribuindo para uma mudança silenciosa, mas poderosa. A verdadeira celebração de Natal vai além de presentes caros e festas suntuosas; ela reside na compreensão de que nossas escolhas individuais podem impactar positivamente o coletivo.


Que este Natal seja uma inspiração para lutar por uma sociedade mais equitativa e sustentável. Prefiro convidá-lxs a construir um Natal romântico, onde a alegria seja compartilhada não apenas entre poucos, mas estenda-se a todos os cantos da comunidade. Afinal, a verdadeira celebração não se mede pelo brilho exterior, mas pela luz que irradiamos internamente, pela compaixão que estendemos ao próximo.


Neste final de ano, desejo a todas e todos um Natal repleto de esperança, marcado pela prática da solidariedade e pela reflexão sobre nossas escolhas. Que possamos celebrar não apenas o que temos, mas também quem somos e o impacto que podemos causar em um mundo que clama por mais compaixão e justiça. Que a luz do Natal brilhe em nossos corações, iluminando o caminho para um futuro mais inclusivo e sustentável. Feliz Natal, leitoras e leitores do Soteroprosa, que este seja um Natal verdadeiramente significativo para cada um de nós.



____

27 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page