A folia em 2022: teremos carnaval ou covidval?

Uma das atuais polêmicas que pululam diariamente, é a realização ou não do carnaval de 2022. No último mês de agosto, 30% dos abadás já haviam sido vendidos, o que indica pressão para a realização da festa. O Conselho do Carnaval já aprovou a execução da folia. Enquanto alguns estão na expectativa, outros estão mais prudentes, aguardando as autoridades tomarem alguma atitude.


Enquanto o prefeito Bruno Reis está confiante no acontecimento festivo, o governador Rui Costa mostra preocupação. Rui cita aumento nos casos da Europa, desrespeito de normas em festas particulares, e instabilidade no número de casos positivos no estado. Enfim, a celeuma está estabelecida. Rei Momo deve desfilar com as chaves da cidade em fevereiro de 2022?


A Organização Mundial da Saúde (OMS) vem afirmando que, devido ao baixo número de vacinados nos países mais pobres – sobretudo na África – a pandemia deve continuar em 2022. Embora otimista com o avanço da vacinação pelo Globo, o órgão pondera que a pandemia não irá desaparecer de uma hora pra outra. No Brasil, 125 milhões estão totalmente imunizados, se aproximando de uma socialização mais segura. Porém, é preciso saber se isso é suficiente para garantir grandes aglomerações como carnaval de rua.

Na Bahia, os casos diários registram números ora em dezenas, ora em centenas. O número de óbitos oscila: entre 3 e 12 mortes diárias. Porém, no dia anterior à publicação desse artigo, 18 pessoas morreram de COVID. 18!! Embora 95% dos municípios do estado não registrem mortes, ocasionalmente os dados alertam alguns surtos. Diante desse sobe-desce, o que se aponta são irregularidades. Dá pra confiar que daqui há 3 meses estaremos numa boa?


Escrevi um artigo no qual dissertava sobre a irresponsabilidade de ter havido carnaval em 2020, quando europeus já fechavam fronteiras e dezenas de países registravam os primeiros casos. Agora, estão se fiando na vacinação para que a festa se confirme. Bem, mais de 2 milhões de baianos não tomaram a segunda dose e outros já precisarão tomar doses de reforço no início do próximo ano. Em razão desse desnível, solicita-se cartões de vacinação em muitos locais. Como fazer isso nos circuitos? Mesmo que no estado os números permaneçam favoráveis, não receberemos turistas? Difícil viu....


Apesar do poder de mutação do vírus ter diminuído, não sabemos o que ocorrerá após uma festa dessa dimensão ocorrer. Todos os anos após o carnaval enfrentamos viroses. Não dá pra corroborar como um vírus mutante se comportará depois de circular invariavelmente por tantos dias. Algumas autoridades hesitam sobre a festa, outros esperam que ela aconteça para amenizar os prejuízos causados pela ausência em 2021. A força da grana que ergue e destrói coisas belas vencerá a prudência? Quem se sobressai nessa disputa? A circulação do capital ou do vírus? Teremos carnaval ou covidval?


FONTE: