top of page

“Apenas 3% dos brasileiros se acham feios”: sobre autoestima masculina e sua dependência a opressão feminina







Lembra daquela máxima da Marcela do BBB 20? "Autoestima de homem tinha que encapsular e vender, ia ficar tudo rico.” Pois então, hoje quero te dar 6 motivos para você estudar essa tal autoestima do homem cis hétero.


A principal razão para falar desse assunto é o resultado de uma pesquisa que apontou o seguinte:


“A autoestima entre os homens se mostrou elevada, enquanto o resultado da pesquisa realizada pelo Instituto Kantar, do Ibope, divulgou que, entre as mulheres, a realidade é outra: 20% sofrem com baixa autoestima.”


Isso quer dizer que os homens estão mais satisfeitos, será por que possuem uma autoestima melhor que as mulheres? Nada disso! A visão que eles têm de si tem como base a violência praticada contra o feminino e o contrato social patriarcal que encara a cultura dos gêneros como uma forma de colocar uns submissos (mulheres) a outros (homens). Por isso, é vital que as mulheres saibam o que está na sua realidade que sustenta essa dita elevada autoestima. Isso vai fazer elas olharem aquela confiança masculina como fruto de inseguranças e medos, mas do que uma sólida capacidade de saber se amar e enxergar a si mesmo.


  1. Rivalidade Feminina: Quem já ouviu falar na prateleira do amor da Valeska Zanello, sabe que esse conceito se amplia para a rivalidade feminina. Sendo “objetos” do olhar masculino e de seu poder de escolha, as mulheres se debatem na prateleira tentando disputar o local de escolhida. Com isso, nasce a comparação e os conflitos para ver quem é mais bonita, amada ou popular. Enquanto isso acontece, homens de beleza e caráter mediano sabem que serão escolhidos porque eles não precisam de muito. A depender da questão cultural e social, basta eles aparentarem masculinidade, terem um “trabalho digno” e serem socialmente agradáveis que rapidamente podem ser alvo da atenção de várias mulheres.

  2. Paternidade Voluntária: Esses dias eu estava lendo sobre o folclore para o meu filho e me deparei com a história do boto, um homem que seduz mulheres, as engravida e some. Pra mim, isso não tem nada de lenda! No Brasil mais de 100 mil crianças foram registradas sem o nome do pai em 2022. E o fato do nome do pai estar no registro ainda pode significar muito pouco, já que o peso do cuidado dos filhos ainda recai sobre a mulher. Esse desequilíbrio faz com que homens se sintam muito felizes em serem pais! - quando eles querem ser.

  3. Casamento: se para as mulheres o casamento é fator de adoecimento da saúde mental (elas são 74% da população que toma remédios para doenças mentais), para os homens é atribuído como uma forma de “almofada psíquica” - termo usado por Zanello - que garante sua proteção emocional e psicológica. A cultura machista entrega à mulher o casamento como sua responsabilidade e projeto de vida, enquanto para os homens basta garantir seu lugar de provedor da família.

  4. Pressão estética: um dos dados da pesquisa que citei afirma que “apenas 3% dos homens brasileiros se acham feios e que 47% se consideram bonitos”, logo, os homens não sofrem na mesma medida que nós de pressão estética. Basta observar o quão permitido é que eles tenham rugas, cabelos brancos e até engordem e percam os cabelos. Não é à toa que quando o assunto é custos com beleza, os homens gastam cerca de 0,7% do seu salário e as mulheres desembolsam quase 54% de sua renda.

  5. Silenciamentos: o silêncio é cultural e nasce dos dois lados, masculino e feminino, por motivos diferentes. As mulheres silenciam seus incômodos e aflições na convivência com homens para não serem mal vistas. Nos homens, o silêncio cumpre o papel de proteção do código masculino de irmandade, onde o erro do amigo é minimizado e anulado. Se o erro não aparece, a imagem pública do homem permanece intacta e sua autoestima não é afetada.

  6. Sexo Fálico: a sexualidade é dominada por homens, especialmente nos filmes pornográficos. Com isso, a predominância simbólica do “fazer sexo” fica na penetração e no sexo fálico, onde o pênis reina no lugar do prazer. Isso torna o ato sexual um lugar de performance masculina solitária, ainda que uma ou mais mulheres compartilhem a mesma cama. Em contraposição, o prazer sexual da mulher com a penetração é muito menor, como apresenta uma pesquisa do Journal of Sex and Marital Therapy que afirma que 80% das mulheres não conseguem ter orgasmo só com penetração. No entanto, como o machismo ensina bem, o sexo não foi feito por e para mulheres.


Depois de ler o texto, você consegue perceber como a autoestima masculina depende do nível de condicionamento feminino à cultura machista? Não é à toa que, quando uma mulher se comporta de forma contrária às regras sociais ditas, ela é rechaçada pelos homens, incluindo pessoas da sua vida como parentes, companheiro e até filhos! Seguir o caminho oposto implica que eles percam o centro da história e encarem suas fragilidades e vulnerabilidades e percebam que sua autoestima é uma farsa alicerçada pela dor e opressão ao corpo e a independência do ser feminino.


-----------------------------------------




REFERÊNCIA


ZANELLO, Valeska. Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. Editora Appris, 2020.



FONTES





120 visualizações1 comentário

1 comentario

Obtuvo 0 de 5 estrellas.
Aún no hay calificaciones

Agrega una calificación
carlosobsbahia
carlosobsbahia
14 oct 2022

Tava afiada,hein,Karla? Sensacional sia visão,é isso aí,é perfeitamente identificável esses comportamentos em ambos os sexos. Vc utilizou argumentos difíceis de serem questionados

Me gusta
bottom of page